Central de Atendimento:(SAC)
(71) 4141-3400
Mais de 50 trechos de rodovias federais foram atingidos pelas chuvas

Desde o fim do ano passado, 53 trechos de rodovias federais foram atingidos pela chuva. A maioria no Sudeste, principalmente, em Minas Gerais.

É preciso cuidado para cruzar o país. A chuva arruinou algumas das principais rodovias federais, principalmente nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, onde 142 cidades decretaram situação de emergência. Para ver o que as cheias já provocaram nas estradas e como se orientar nas viagens que passam pelo Sudeste do Brasil.

Minas Gerais tem a situação mais crítica. Algumas das estradas merecem atenção do motorista e outras estão interditadas, como a BR-494, em Carmo da Mata. Por causa de um buraco, os passageiros têm que descer dos ônibus e fazer baldeação. “Eu dependo dessa estrada para ir trabalhar”, contou uma moradora. Já na BR-116, altura de Além Paraíba, divisa com o Rio de Janeiro, a pista desabou, em uma região por onde passam caminhões pesados.

A chuva também já destruiu muitas rodovias estaduais em Minas. A MG-20 é a estrada mineira em pior situação. Foi onde se abriu uma cratera de seis metros de profundidade. Na MG-30, em Nova Lima, em um trecho de aproximadamente 15 quilômetros existem três pontos de interdição. “Eu estou evitando o máximo estar passando, mas não tem jeito”, disse uma motorista.

Em Campos, no Rio de Janeiro, além do ponto em que a na BR-356 foi cortada ao meio pelas águas do Rio Muriaé, existem ainda pelo menos três lugares que podem se romper. No Espírito Santo, o asfalto cedeu em dois pontos da BR-101: na altura de Guarapari e ao norte de Vitória. O tráfego teve que ser parcialmente interditado. Mais acima, em Colatina, a BR-259 também chegou a ser fechada depois que parte do acostamento desmoronou. Em outro ponto da rodovia, houve queda de barreira e há buracos na pista. “Muito buraco. Buraco aqui na frente, buraco atrás. A estrada está péssima. Horrível”, afirmou um motorista. “Eu acredito que é preciso ter uma constante manutenção”, avaliou outro motorista.

Fonte: EPTV